Página inicial > documentos > Ciranda.net > Fórum Social Mundial 2007 - Nairóbi, 20 a 25 de Janeiro > Fórum precisa incluir os de baixo para não repetir padrão de poder

Fórum precisa incluir os de baixo para não repetir padrão de poder

sábado 27 de janeiro de 2007, por ,

O padrão de poder dominante é um só nos quatro
cantos do mundo. E o Fórum Social Mundial na África contribuiu para
reproduzir os paradoxos desse mesmo padrão de poder. A perspectiva
apresentada pelo sociólogo peruano Anibal Quijano, intelectual de destaque na produção acadêmica contra-hegemônica, sintetiza uma série de manifestações que ocorreram durante esta sétima edição do FSM.

Para Quijano, duas são as características centrais desse padrão (hoje
universal) de poder: a colonialidade do poder (ou o colonial moderno), que
se fundamenta na idéia de raça, e a escravidão dos trabalhadores, na qual
o controle do trabalho tem atingido altos ní­veis sem precedentes. "Não se produz mais emprego, mas desemprego", resume o sociólogo, remetendo à superexploração da força de trabalho que caracteriza o cenário de paradoxo instalado entre Estado e não-Estado, mercado e não-mercado.

"O padrão de poder que faz parte da nossa vida tem muitos paradoxos. A
colonização da África se deu no século XVIII. O capitalismo se dá com base na escravidão e na exploração servil. Não se trata de uma seqüência. O sistema foi constituí­do sobre essa base. E é muito interessante que a idéia de raça continue sendo aplicada. Somos atualmente seis bilhões de pessoas no mundo, mais ou menos, da espécie homo sapiens. E o nosso ancestral, o fóssil mais antigo, foi encontrado aqui no Quênia há 200 mil anos", comentou Quijano. "É fascinante estar aqui [no Quênia] de novo, mas é frustrante se dar conta de que não foi possí­vel estabelecer um trabalho e uma comunicação com o povo da África. Pelas condições, ainda existe aqui uma hierarquização muito grande. E o trabalho deveria ter sido muito mais embaixo. Agora mesmo, nesta semana de Fórum Social Mundial, seria preciso descer muito mais. Não há sentido se não for assim. Se o trabalho ficar apenas no ní­vel da burocracia das lideranças, estaremos mantendo a mesma hierarquia que o capitalismo impôs aqui. A única forma de romper com isso é começar a partir dos de baixo". Para Quijano, subverter e destruir a reprodução do padrão de poder é a principal tarefa colocada para as forças polí­ticas progressistas. A chave, segundo ele, não está apenas na organização dos movimentos sociais, mas na aferição dos movimentos de toda sociedade.

Do modo como foi organizado o encontro, enfatiza o peruano, "algo não
caminhou". "A primeira coisa que é muito importante é que para entrar
no Fórum foi necessário pagar. Não pode ser assim. Foi mantida, na forma
de organizar o encontro, a lógica paradoxal do mercado e não- mercado".

A declaração do Comitê Internacional Ndugu, formado por jovens negros
militantes do movimento hip hop, coincide com as reflexões de Quijano. O
coletivo realça que o povo africano não pode se desenvolver economicamente e politicamente sem que seja restabelecida a fundação cultural e sem que o mesmo povo esteja sustentado nos seus próprios valores. "Infelizmente, nós sentimos que, a despeito do fato de que Fórum Social Mundial tenha ocorrido na África, não foi realizado um trabalho suficiente voltado para as questões particulares da África e do povo africano", coloca o comitê. O Fórum, segundo eles, também impediu a plena participação dos povos africanos cobrando preços altos pela admissão, pela comida e pela água. "Nós resolvemos que temos que organizar imediatamente um Fórum Mundial dos Povos Africanos separado, antes da participação de qualquer outro Fórum Social Mundial".

A esquerda, complementa o sociólogo venezuelano Edgardo Lander, aprofundou durante muito tempo outros padrões de poder como a manutenção da luta do ser humano contra a natureza, por exemplo. Nesse contexto, o padrão de conhecimento europeu - como sujeito único que reduz sabedorias de outras origens como primitivas e inferiores é um dos principais alvos de Lander. O venezuelano defende a multiplicidade de conhecimentos e a autonomia dos povos em prol de um valor fundamental: ser a favor da vida.

Renovar o conceito de luta polí­tica. Essa é a pedra de toque na opinião de
Hillary Wainwright, editora da revista Red Pepper. O desafio para os vários atores hoje, discorre, está na multiplicação e não no monopólio e as
relações tendem a ser estabelecidas mais por meio de conexões do que nos moldes de uma unidade monolí­tica.

"Diversidade não é fraqueza", adiciona Hassan Lorgat, dirigente da
representação da ONG Transparência Internacional na África do Sul. Lorgat ainda identifica um certo purismo e legado de preconceito na disputa entre os diversos setores da esquerda. "Todos exploram a África, inclusive a América Latina", provocou. "Até os que dizem que não são sectários, ainda continuam sendo. Não basta resistir. Temos potencial e podemos agir. Ainda vejo muita idéia pronta"


Ver online : Maurício Hashizume - Carta Maior