Página inicial > FSM WSF > FSM 2010 WSF > Um pouco do cinema da África e da Diáspora

Um pouco do cinema da África e da Diáspora

domingo 18 de julho de 2010, por , Mahen Bonetti

Todas as versões desta matéria: [English] [Português]

Foto: Cena de A árvore dos antepassados

Apesar da crescente dificuldade enfrentada pelos diretores africanos em criar e distribuir seus trabalhos, sua missão permanece firme de recontextualizar e reimaginar a África no mundo pós-moderno.

Os primeiros trabalhos de cinema africano surgiram da energia dos movimentos de independência nos anos sessenta e refletiam um desejo de desertar o povo para os desafios críticos da afirmação da identidade cultural e de resgate da pessoa, violentada pelo colonialismo.

Na medida em que o cinema africano evoluiu, passou a encarar um desafio: o de avaliar seu progresso e os limites internos e externos enfrentados neste processo. O cinema vem registrando as frustrações e os infortúnios, mas também a perseverança, a imaginação e a substancial vitalidade cultural dos povos africanos. A maioria dos cineastas africanos não hesita em lidar com as dificuldades trazidas por algumas crenças e práticas tradicionais, como também em desvelar a corrupção interna que impossibilita a prosperidade. Tampouco celebram conceitos ocidentais de modernidade sem um olhar crítico. Os cineastas africanos têm se aliado a ativistas e artistas internacionais que criticam estas noções de "desenvolvimento". Agora, mais do que nunca considera-se os meios de comunicação audiovisual estabelecendo-se como vias importantes para democratizar o discurso público sobre temas políticos, culturais e históricos de relevância. Nestes tempos de extrema pressão nos países endividados, para que implementem medidas econômicas brutais e imensos projetos industriais concebidos pelo Banco Mundial e FMI em benefício das multinacionais.

Ao exibir filmes africanos e da diáspora, o Festival de cinema Pan Africano buscou apresentar histórias globais, contadas na perspectiva de povos afrodescendentes. Inserindo suas vozes na mídia dominada pela propaganda norte-sul, imagens africanas atuam como contrapontos imprescindíveis à mídia ocidental que dá foco à questão da fome e da guerra, mas oferece pouca análise sobre os contextos mais amplos em que estas situações se reproduzem. Em contraste com esta visão, as imagens africanas oferecem uma abordagem histórica do continente, cheio de complexidades históricas e culturais, que com sua riqueza, não apenas nutrem o povo africano como também revigoram e animam todas as culturas com as quais entram em contato.

Ao traçar o legado das múltiplas e contínuas migrações dos povos africanos pelo mundo, não podemos esquecer que uma das maiores conseqüências vem sendo o grande tecer de cultura compartilhada que os nutre em suas viagens. Os laços de mitologia, espiritualidade e arte que evoluíram e desabrocharam em diferentes manifestações no Caribe, Brasil, EUA, e Europa são galhos de uma árvore sofrida e enraizada no continente.

Bem como os griots da West Africa que atuam como contadores de histórias, os cineastas africanos atuam como bloqueio ao esquecimento histórico da escravidão e do colonialismo. A grande lição que a história oral oferece ao mundo é a possibilidade de estar sempre consciente de que existem múltiplas e contraditórias perspectivas sobre a realidade. Freqüentemente esta competição tem favorecido aqueles que têm maiores recursos e menos escrúpulos. Ainda assim, permanecem algumas vozes consistentes que, usando a linguagem cinematográfica lançam seus olhares através de todos os continentes. Como a palavra falada é efêmera, as imagens do cinema não apenas refletem a realidade, mas nos obrigam a deparar com a fragilidade e a contingência de muitas de nossas realidades.


Ver online : http://www.viamagia.org/pontodecultura/


Confira a lista de filmes que integraram o I Festival de Cinema Pan Africano na Bahia, em 2000

Histórias com Licínio Azevedo

Formato/Gênero: Vídeo/Documentário
Diretor: Pola Ribeiro
País de Origem: Brasil
Tempo: 52 minutos

Entrevista com o cineasta Licínio Azevedo, que fala da sua obra e sua experiência como cineasta erradicado em Moçambique, da sua cultura, do seu povo, captado nas câmeras e re-contada na conversa agradável deste grande contador de histórias.

Puerto Principe Mio

Formato/Gênero: Vídeo/Documentário
Diretor: Rigoberto Lopez
País de Origem: Cuba
Tempo: 52 minutos

A cidade de Puerto Principe, Haiti é a principal personagem deste documentário. Sua falta de saneamento básico, seus problemas urbanos e a luta de seu povo para superar problemas e sobreviver com alegria.

Mariana e a Lua

Formato/Gênero: Vídeo/Documentário
Diretor: Licínio Azevedo
País de Origem: Moçambique
Tempo: 52 minutos

A viagem de Mariana, curandeira de Moçambique, aos Estados Unidos ao encontro de outros curandeiros e o seu retorno àaldeia de origem, contando a sua experiência.

Filme "Mariana e a Lua"

Filme "A Ã rvore dos Antepassados"

A Ã rvore dos Antepassados

Formato/Gênero: Vídeo/Documentário
Diretor: Licínio Azevedo
País de Origem: Moçambique
Tempo: 52 minutos

Em 1984 quando a guerra atingiu a província de Tete, no norte de Moçambique, Alexandre Ferrão foi escolhido pelos tios para levar a família para Malawi.
Os que aguentavam caminhar e as criançasforam com ele. Dez anos depois, com o fim da guerra, Alexandre decidiu que era hora de regressar para se reconciliarem com a árvore dos antepassados. Esse vídeo vê a história da viagem de regresso àcasa da família.

Tchuma Tchato

Formato/Gênero: Vídeo / Documentário
Diretor: Licínio Azevedo
País de Origem: Moçambique
Tempo: 52 minutos

Na margem sul do Rio Zambeze, na fronteira entre Moçambique, Zimbabwe e Zâmbia, a primeira experiência moçambicana de gestão comunitária de recursos naturais transformou famosos caçadores clandestinos em guardas. Todos os espíritos da região, representados por animais - o leão, o macaco, a serpente - deram o seu apoio às mudanças, exceto o espírito do leopardo, o grande predador, que seguindo os seus hábitos ancestrais, querem continuar a caçar.

Pixaim

Formato/Gênero: 35mm / Ficção
Diretor: Fernando Bellens
País de Origem: Brasil
Tempo: 26 minutos

Comédia, que trata das relações de uma dona de salão de beleza, no Centro Histórico de Salvador, racista e que subloca um espaço para uma barbearia, cujo dono é um negro. A história começa nos anos 70 e vai até os dias atuais, onde é mostrado de forma bastante descontraída as relações raciais, que está por trás de todo processo de decadência do Centro Histórico de Salvador.

Oriki

Formato/Gênero: 35mm / Documentário
Diretor: Moysés Augusto / Jorge Alfredo
País de Origem: Brasil
Tempo: 15 minutos

Os mistérios e o sincretismo da festa de Yemanjá, são mostrados aqui, com uma linguagem poética, que utiliza belas imagens captadas ao longo de 5 anos de festa, ilustradas por textos de Antônio Risério, Caetano Veloso e Arnaldo Antunes.

A Herança da Viúva

Formato/Gênero: Vídeo / Ficção
Diretor: Sol de Carvalho
País de Origem: Moçambique
Tempo: 54 minutos

A herança de uma viúva, que após perder o marido é acusada de bruxaria pela vizinhança. As suas dificuldades de sobrevivência.

Rodas de Rua

Formato/Gênero: Vídeo Arte
Diretor: Orlando Lima
País de Origem: Moçambique
Tempo: 4 minutos

Um vídeo sobre as crianças de Moçambique e sua forma de brincar, aproveitando brinquedos do lixo.

Saltando àCorda

Formato/Gênero: Vídeo Arte
Diretor: Chico Carneiro
País de Origem: Moçambique
Tempo: 6 minutos

Registro da brincadeira tradicional das meninas moçambicanas de saltarem àcorda.

Pênalti

Formato/Gênero: Vídeo / Ficção
Diretor: Adler Kibe Paz
País de Origem: Brasil
Tempo: 10 minutos

Conta a história de um jogador de Futebol de Várzea, que está àbeira de um penhasco, após perder um pênalti, em uma final de campeonato. Durante o decorrer da trama, o espectador é levado a descobrir as reais razões que o levam àquela atitude desesperada.

Filme "Preto no Branco"

Preto no Branco
Formato/Gênero: Vídeo/Documentário
Diretor: Joel Almeida
País de Origem: Brasil
Tempo: 30 minutos

Documentário sobre o universo dos vendedores de cafezinho, que enfeitam as ruas de Salvador, com seus carrinhos confeccionados e equipados sempre de forma criativa e original, sendo já considerados uma expressão da cultura popular de Salvador.

Muhipiti Alima

Formato/Gênero: Vídeo / Ficção
Diretor: Sol de Carvalho
País de Origem: Moçambique
Tempo: 34 minutos

Alima quer estudar e o marido não deixa. A luta de Alima que passa a vender doces no centro de Moçambique para poder estudar ànoite.

Fintar el Destino

Formato/Gênero: 35mm / Ficção
Diretor: Vendrell
País de Origem: Portugal / Cabo Verde
Tempo: 90 minutos

A vida passou muito rapidamente para Mané. Aos 50 anos ele assiste ao sacrifício dos seu ideais. Agora, no ostracismo, após uma carreira brilhante de jogador de futebol no time Mindelense de Cabo Verde, somente desperta compaixão dos seus amigos. Quando inicia o treinamento de um time de jovens, ele vê a renovação dos seus sonhos através de Kalu, um jovem rebelde e talentoso. Suas esperanças de ver seus sonhos realizados recomeçam quando Kalu é escalado para jogar na Copa Portuguesa.

Sidney Poitier na barbearia de Firipe Barberu

Formato/Gênero: Vídeo / Documentário
Diretor: Francisco Villa-Lobos
País de Origem: Portugal / Moçambique
Tempo: 18 minutos

A história se passa em Moçambique, no fim do período colonial. Firipe é barbeiro e trabalha sob uma árvore num quarteirão movimentado, com seu assistente Gaspar Vivito. Para atrair e impressionar sua clientela Firipe não hesita em inventar histórias sobre famosos clientes, incluindo Sidney Poitier.

Angola - Nação Coragem

Formato/Gênero: Vídeo / Documentário
Diretor: Sérgio Guerra
País de Origem: Brasil / Angola
Tempo: 28 minutos

Angola poderia ser um país próspero, mas a guerra civil que se arrasta há 24 anos impede que se aproveite o enorme potencial. Esta tragédia que é ignorada pelos noticiários internacionais e pela maior parte do mundo já provocou mais de 2 milhões de morte, mas de cento e vinte mil mutilados e prejuízos avaliados em 40 milhões de dólares. Para além disso, criou cerca de cinco milhões de deslocados, um milhão deles refugiados em países vizinhos.

A Ã gua conhece o seu caminho

Formato/Gênero: Vídeo / Documentário
Diretor: Chico Carneiro
País de Origem: Moçambique
Tempo: 32 minutos

Na capital de Moçambique, um pequeno buraco numa das principais avenidas, transforma-se numa cratera assustadora, com mais de 2 quilômetros de comprimento. Com as cheias de Fev. de 2000, a cratera fica maior ainda pondo em risco a vida de centenas de pessoas. O filme mostra o drama de 2 famílias afetadas pela erosão e traça uma cronologia das cheias que afetaram o país.

MOPIOPIO, SOUFLE D’ Angola

Formato/Gênero: Vídeo / Documentário
Diretor: Zezé Gamboa
País de Origem: Angola
Tempo: 54 minutos

Mostra que, apesar de todas as dificuldades que o povo angolano passa falta de água, luz, comida - em clima de guerra, ele consegue sobreviver graças a música.

A Lenda do Pai Inácio

Formato/Gênero: 35mm / Ficção
Diretor: Pola Ribeiro
País de Origem: Brasil
Tempo: 35 minutos

Chapada Diamantina, século XIX, um amor proibido quebra a tensa normalidade do garimpo. O escravo Inácio, condenado àmorte pela implacável lei dos coronéis, empreende uma fuga impossível. Para escapar aos bandos armados que seguem em seu encalço, ele tem um único trunfo: o conhecimento da magia guardada na exuberante natureza da Chapada Diamantina. O herói solitário, no entanto, acaba encurralado por seus perseguidores, na beira de um abismo. Faz, então, uma aposta altíssima para conquistar a liberdade, lançando-se no espaço.

O Miradouro da Lua

Formato/Gênero: 35mm / Ficção
Diretor: Jorge Antônio
País de Origem: Portugal
Tempo: 90 minutos

Um jovem estudante de teatro recebe um convite de seu pai, que não conhece, para ir com ele a Angola. Na viagem conhece uma estudante angolana, que regressa ao seu país. Quando vai àmorada de seu pai tem uma grande surpresa que vai mudar sua vida.

Uma Canção para Angola

Formato/Gênero: Videoclip
Diretor: Farouk Salomão
País de Origem: Brasil
Tempo: 5 minutos

Clip musical em homenagem que um grupo de cantores brasileiros, portugueses e africanos fazem ao povo angolano.

A Negação do Brasil

Formato/Gênero: 35mm / Documentário
Diretor: Joel Zito Araújo
País de Origem: Brasil
Tempo: 90 minutos

Documentário de longa metragem sobre os tabus, estereótipos e a luta dos atores negros. Como o negro foi apresentado pela telenovela brasileira em 30 anos de história, desde o Direito de Nascer, em 194, quando o segundo papel mais importante na memória nacional, mamãe Dolores, foi representado por uma atriz negra, Isaura Bruno. A história de Isaura é a história de todos os negros na televisão brasileira: Morreu pobre e desconhecida na Praça da Sé em São Paulo.

A Guerra da à gua

Formato/Gênero: Vídeo/Documentário
Diretor: Licínio Azevedo
País de Origem: Moçambique
Tempo: 52 minutos

Os problemas da população de Moçambique no após guerra, com a falta de água e a privatização dos "buracos de água", sem possibilidades concretas de solucionar o problema.