Página inicial > Ciranda Mundi > Américas > Venezuela considera "ato provocador indesculpável" a entrada de um navio dos (...)

Venezuela considera "ato provocador indesculpável" a entrada de um navio dos EUA

domingo 19 de julho de 2020, por , Ciranda.net

Todas as versões desta matéria: [Español] [Português do Brasil]

O navio de guerra dos EUA entrou ilegalmente nas águas jurisdicionais do país do Caribe.

"A entrada do navio americano furtivamente nas águas jurisdicionais venezuelanas está claramente violando o Direito Marítimo Internacional e só pode ser classificada como um ato de provocação indesculpável, caso contrário, errático e infantil", censurou o Ministério das Relações Exteriores da Venezuela por meio de um declaração emitida nesta quinta-feira.

O Ministério das Relações Exteriores da Venezuela também condena que a ação provocadora ocorra como resultado da recente visita do presidente dos EUA, Donald Trump, à sede do Comando Sul no estado da Flórida, realizada em uma tentativa desesperada de “atrair o voto latino "em face das próximas eleições presidenciais dos EUA" em troca da agressão permanente e ilegal à Venezuela ".

A nota, divulgada pelo ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, em sua conta na rede social Twitter, também refuta as "infames declarações infundadas" do Comando Sul dos EUA sobre a navegação em águas internacionais, especificando que o navio de guerra O USS Pinckney (DDG-91) navegou na área contígua do país, ficando a 16,1 milhas náuticas da costa venezuelana.

"As instituições da República Bolivariana da Venezuela, e especialmente sua Força Armada Nacional Bolivariana (FANB), farão cumprir a soberania sagrada e a integridade territorial da Venezuela a todo custo, de acordo com o direito internacional, contemplando todas as ações que considerar necessárias", O Ministério das Relações Exteriores da Venezuela deixou claro.

A notícia vem à tona um dia depois que o almirante Craig Faller, comandante do Comando Sul dos EUA anunciou o início dos exercícios militares, liderados pelo destróier de mísseis guiados classe Arleigh Burke USS Pinckney em "Águas internacionais" no mar do Caribe.

A Marinha dos EUA já havia contestado a reivindicação da Venezuela em 23 de junho, quando o destróier USS Nitze (DDG-94) realizou uma operação semelhante em águas internacionais fora do mar territorial de 12 milhas marítimas da nação sul-americana.

O presidente venezuelano Nicolás Maduro denunciou as incursões ilegais de navios de guerra dos EUA nas águas venezuelanas. O ministro da Defesa do país, Vladimir Padrino López, por sua vez, prometeu uma resposta vigorosa aos militares dos EUA, movimentos ameaçadores e provocativos nas costas do país do Caribe.

* Fonte: HispanTV