Página inicial > BRASIL > Joãozinho da Gomeia: o “rei do candomblé”

Joãozinho da Gomeia: o “rei do candomblé”

quinta-feira 5 de novembro de 2020, por Franklim Peixinho,

Um homem que não só enfrentou o racismo e a homofobia, mas teve coragem para ser ele mesmo

Muita desinformação nutrida pelo racismo religioso medeia o imaginário das pessoas, que as levam a demonizar as crenças, rituais das religiões de matriz africana, como também classificar de acordo com suas referências, provocando indevidas confusões com a Umbanda, também digna de respeito.

A moçambicana Paulina Chiziane nos fala que Deus não é propriedade privada e cada povo e/ou cultura tem o direito de cultuar o divino a sua maneira, vale dizer que nenhuma religião pode impor universalmente a forma de se relacionar com o sagrado.

Por muito tempo o Candomblé se utilizou do sincretismo religioso para manter vivo o culto aos Orixás, Inkisses e Voduns, a depender da respectiva nação, e hoje que estamos livres, não precisamos fazer a confusão de Zé do Burro que ao prometer a Iansã/Santa Barbara, caminhou carregando uma cruz de Monte Santo até Salvador, pois o seu burro se salvou da morte. Mas, respeitando os sincréticos, as crenças e forma de culto de cada um, convém informar que Ogum não é Santo Antônio, Oxosse não é São Jorge... Cada um fique com o seu.

Seguindo... Babalorixás e Ialorixás tiveram um papel político bastante importante que transcendia a direção do culto religioso, porque traçavam, cada qual a sua maneira, formas estratégicas de proteção a sua casa e aos seus filhos de santo, em uma época em que o Candomblé era alvo de punição penal.

João Alves Torres Filho, Joãozinho da Gomeia, homem preto, gay e sacerdote do Candomblé, com a sua personalidade polêmica, levou a religião para as páginas da Revista ‘‘O Cruzeiro’’; para o teatro, em exibição das danças sacras, e trouxe para o terreiro a sociedade branca e políticos do status dos presidentes Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek.

Suas posturas causavam repulsa perante as autoridades religiosas das casas tradicionais de Candomblé da Bahia. No carnaval de 1956, chocou a todos ao sair fantasiado de vedete, sobretudo o povo de santo, porém, informou ao repórter da Revista ‘‘O Cruzeiro’’ que ‘‘ [...] antes de brincar eu pedi licença ao meu guia. Segundo, porque o fato de eu ter me fantasiado de mulher não implica desrespeito ao meu culto, que é uma Suíça de democracia’’.

Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1946 e, a sua maneira, contribuiu para difundir e manter firme as tradições do Candomblé, até por que em seu terreiro na Baixada Fluminense, do mesmo modo quando ainda era na Bahia, se praticava os ritos da Angola, Ketu e dos Candomblés de Caboclo.

Joãozinho da Gomeia é uma personalidade negra importante para história do Candomblé no Brasil, e, como dito, contribuiu para a resistência aos ataques que esta religião sofreu e sofre institucionalmente.

Um homem que não só enfrentou o racismo e a homofobia, mas teve coragem para ser ele mesmo, mesmo com os ataques a sua forma de ser no mundo.

Salve Joãozinho da Gomeia: o “rei do candomblé”!

Imagem: Montagem Ciranda.net (João da Gomeia no Carnaval, João da Gomeia, no terreiro da Gomeia e João da Gomeia, Joãozinho da Gomeia sentado, Joãozinho da Gomeia

Artigos assinados não expressam necessariamente a opinião da Ciranda e são da responsabilidade de seus autores(as).

  1. Confira todas as colunas:

Pedrinha Miudinha com Franklim Peixinho