Página inicial > BRASIL > Comunicação > I Confecom - Conferência Nacional de Comunicação > A criminosa tragédia urbana brasileira

A criminosa tragédia urbana brasileira

sábado 9 de janeiro de 2010, por Estratégia & Análise,

A criminosa tragédia urbana brasileira

07 de janeiro de 2010, da Vila Setembrina, Bruno Lima Rocha

Pode-se afirmar que a região da Baía da Ilha Grande é uma síntese do Brasil. Boa parte da cidade favelizada convive como mão de obra para resorts, marinas particulares, grande circulação de lanchas e até ilhas privadas. Como há pelo menos 40 anos existe essa convivência, mesmo com a retração do pólo naval, teria sido possível a urbanização ordenada mediante política distributiva. Seria racional prever a taxação de empreendimentos imobiliários com fins turísticos e de lazer e com isso financiar uma ocupação urbana sem residências em áreas de risco. Ocorreu o oposto.

A mesma “lógica” nacional entende a especulação imobiliária, como expansão da construção civil, servindo como termômetro da economia. É uma inversão do conceito de economia como utilização racional de recursos finitos. Em obedecendo uma racionalidade mínima, programas como Minha Casa Minha Vida não alimentariam o oligopólio das empreiteiras e sim, primeiro, a urbanização de favelas, a remoção indenizada de áreas de risco e o aproveitamento de todos os imóveis parados. Ao mesmo tempo, exigiria a universalização de esgotamento sanitário e tratamento de águas. É um contra senso debater a sustentabilidade em Copenhaguen e não prever que qualquer edificação privada necessita de saneamento urbano para além dos muros do condomínio.

No quesito meio ambiente, o absurdo estrutural continua. Temos a legislação ambiental mais avançada do mundo e o discurso de agentes econômicos e operadores políticos é que “tanta lei” trava o progresso. Pura falácia. Preservar a Mata Atlântica, no caso de Ilha Grande, é sempre mais importante do que erguer um empreendimento imobiliário de residência ou turismo. De eufemismo em eufemismo, “flexibilizam” a defesa dos recursos naturais coletivos e não renováveis em prol do interesse particular de alguns oligopólios. Quando a tragédia humana é fruto da omissão e mau governo por décadas a fio, o fato além de trágico é ato criminoso.

Os argumentos acima não implicam em cair na tentação autoritária. Muito pelo contrário. Entre qualquer sentido de ordem e o exercício do direito a moradia, morar é prioridade. Não se pode responsabilizar a população carente, que ergue sua residência onde dá e não onde quer. Tampouco é lícito exigir disciplinamento de favelas e liberar o apetite sem fim de incorporadoras e grandes obras residenciais.

O problema é político. Como já constatei em artigos anteriores, a atividade fim dos mandatários é a acumulação de poder e a atividade meio é a projeção da auto-imagem no exercício de mandatos. A preocupação com o bem comum está atrás do atendimento aos investidores do consórcio político-eleitoral e da sobrevivência política.

Neste ambiente, o ato de governar fica soterrado só existindo na base da pressão direta de agentes sociais organizados. Neste caso, é urgente aumentar o poder cidadão pelo controle social do Estado e o decorrente disciplinamento do agente econômico do setor da construção civil. Se no médio prazo não resolvermos a urbanização brasileira, então todo início de verão teremos criminosas tragédias como a de Angra dos Reis.

http://www.estrategiaeanalise.com.br

Estratégia & Análise: a política, a economia e a ideologia na ponta da adaga.

Expediente

Editor Bruno Lima Rocha

Revisão, diagramação e envio: Lisandra Arezi

www.estrategiaeanalise.com.br

Fone: 55 51 9974 8052

Correio: blimarocha@gmail.com

msn: blimarocha@hotmail.com

skype: bruno.lima.rocha

http://groups.google.com.br/group/estrategiaeanalise

Agradecemos a publicação deste artigo, sempre citando a fonte e solicitamos o favor de enviar para nosso endereço eletrônico o LINK da página onde o texto foi reproduzido.

Gratos pela atenção

Estratégia & Análise e Equipe


Ver online : www.estrategiaeanalise.com.br

Portfólio